Bares da vida!

Autor: Genésio Cavalcanti Seja Bem Vindo Ao Blog - Ser Poeta : »
Veja

A noite me fascina, por ela tenho a mais nobre admiração. Perpetuo apaixonadamente cada minuto, deliciando tua beleza e vislumbrando tua lua amarelada. É o momento perfeito para brindar e saudar entusiaticamente! Convido-me~, então, para o bar mais próximo, este aguardava-me saudoso, pois ali já há alguns dias não comtemplava-se com a minha companhia. Agora pergunto-me: e quantos eu frenquentei? De Birutas em conquista passando por Boi Preto, Skillos, até o mais sofisticado restaurante no hall do Mar Hotel. Da mesma forma, portei-me noutros sem a mesma imponência, sem o mesmo requinte, sendo sempre recebido com carinho e respeito, devido a minha conduta e descrição. Em muitos afoguei mágoas. Na verdade, as mágoas tornam-se pretextos para porres homéricos, como fazia Baco o deus do vinho, noutros absorveram e acolheram os meus desafetos, a minha insensatez. Desta frequência, sempre em compahia de bons amigos, abro um parênteses para mencionar um nome de uma pessoa, que como eu, além de gostar da noite, vive dela: mestre Zé Linaldo. Certamente, teremos assunto para rair um novo dia. E vamos desabrochando a lua em versos e prosa e entre umas e outras, vão surgindo novas canções. Entre tantas composições feitas com esse grande parceiro sob o olhar iluminado da lua cheia, fomos agraciados outro dia com este poema-canção, intitulado: “SOBRE UM AMOR” Surgiu tão repentinamente, que em menos de dez minutos estava pronta a poesia e a melodia simultaneamente, para nosso contentamento. Era noite de sábado sob o céu estrelado e tinhámos ao nosso lado a compahia solitária do violão gemedor e o litro do blender 12 anos, acalentando nosso espírito, além claro, inteiramente ao nosso dispor o refinamento da gastronomia e do bom atendimento e gentileza do pessoal do restaurante Terra Mar. E outras tantas amizades, fiz ali mesmo a ali compactuamos da mais singela e leal. Nas mesas em circunferências, evidenciei e regozijei discurssões diversas a respeito de diversos assuntos, possíveis e inimagináveis; um verdadeiro frenesi de angústias e lamentos. Mais preferencialmente são três os mais discutidos em qualquer mesa de qualquer bar: política, futebol e mulher. Prefiro a última; pois de política não quero entender, de futebol não sou nenhum expert. Entretanto, as vezes desnorteio-me ao olhar em volta daquelas mesas e poder observar melhor e ver aquela gente alegre, de espera e otimismo, muitas vezes a revolta tomar-lhes forma por motivos corriqueiros que todos nós sabemos e entedemos. A falta de dinheiro, fome e sexo. Geralmente para aqueles a “coisa” nunca acaba bem, o dono do estabelecimento jã não segura aquele prego pendurado, por vezes... É a rotina incessante dos bares, das noites!
Outro fato interessante, é ver outros em copos cheios de cerveja ou doses, em isntantes, categoricamente serem plenamente transformados de pobres para ricos, de feios para bonitos e principalmente de tranquilos para agressivos.
Para mim, contentamento, é aboletar-me em uma mesa de bar e depois da terceira dose, assimilar melhor a vida, o mundo (deixar a audição ser contemplada com boa música, geralmente ao meu melhor prazer). Depois de uma longa e tempestiva semana, recheada de agravamentos, problemas, geralmente de terceiros por mim compartilhados, nada melhor do que arrancar de mim essas mazelas, biritando sobriamente e como menino sem juizo, em incógnita derramo organicamente copos de liberdade e desafogamentos. Logo após essa realização, sinto-me leve, pronto para resistir a agitação de mais uma semana com todos os seus destemperos.
Da maneira que ajo, da simplicidade que trago, do homem mortal que sou, dos amigos que tenho e não mencionados aqui, ergo um brinde de alegria e paz a todos e um breve reencontro, nas mesas dos bares da vida! SAÚDE!!!

Genésio Cavalcanti
Palmares, hoje e sempre



Deixe seu comentário

    Obrigado!

    Obrigado!

    Agradeço por sua presença nessa
    viagem que fizemos juntos...
    Espero outras vezes navegarmos,
    neste mesmo sonho!

    Curta Nossa Poesia