Espelho Meu!

Autor: Genésio Cavalcanti Seja Bem Vindo Ao Blog - Ser Poeta : »
Veja

Hoje, é mais um dia como outro qualquer. Terça, sob o céu de junho, dia dos namorados. Ainda é cedinho da manhã, costumeiramente, acordo cedo, mas hoje é para mim uma data especial: é também dia do meu aniversário! Quero festejar com meus amigos e familiares. Receber deles, abraços carinhosos, felicitações, beijos e presentes dispensáveis. Tomar a minha mãe, sua benção. Ver aqueles dois olhinhos brilhando de emoção me fitarem. E depois, ouvir os velhos conselhos sábios de sempre: você está mais gordo, venha, sente aqui, deixe eu olhar pra você, cuidado com a saúde... Ir talvez a um restaurate, tomar umas e outras, e, nada mais além sui generis. Afinal de contas, estou ficando mais velho, obviamente, com menos tempo de vida. Lembro Oscar Wilde, “O retrato de Doris Gray:” Viva! Viva a sua vida maravilhosa! Não perca coisa alguma dela.” E é isso que procuro fazer cotidianamente... Quero deliciar-me em baixo de uma ducha fria, botar meu perfume predileto, colocar aquela camisa, presente do ano passado, que mesmo apertada, ainda caibo. De vaidade, entendo pouquíssimo, e de ostentações, muito menos. Mas hoje, um retoque a mais é primordial: Barba, bigode e cabelo, então... Inevitável é nosso encontro, mútua é nossa procura, pois é diante dele que nossos olhares se cruzam, se misturam, se interrogam. É ele que ano após ano, acompanha cada passo da minha existência, da minha intimidade: meu espelho! E tudo se faz silêncio. Penso. Esse é que em nada muda. Não que eu queira glamourizá-lo, mas seu aspecto me apraz, me fascina.

Sua moldura negra, talhada em pura madeira nobre de ébano, dá-lhe a devida imponência. Continua lustroso, brilhante, radiante! Mal olho pra ele, e ele já começa a detalhar-me, a examinar-me minuciosamente. E me fita com seu olhar irônico, perscrustador. E eu retruco: hoje não!. Hoje eu não quero conversar com você. Quero apenas olhá-lo de soslaio, discretamente, não dar-lhe ouvidos... Ignorá-lo. Mas como sempre, alguma coisa me prende a você, por uma razão qualquer que desconheço. Inexplicavelmente diante de ti, perco a resistência, deixo-me dominar. E mais que ninguém, é você, que melhor me conhece... Quantas vezes, desabafei com você? Quantas vezes você me viu chorar? Inúmeras, bem sei. Conheces meus pontos fracos, minhas dúvidas, meus anseios, meus amores, dissabores, alegrias e tristezas.. Que me viu nascer, crescer. Lembra quantas vezes, ficavas me contemplando e, admirando?. Me admiravas todos os dias, principalmente, quando era criança. Minha pele lisa, sem rugas. Olhar brilhante, calças curtas, bem penteado, minha tez bronzeada, dos sois à fio. Carregava comigo nas mãos todos os sonhos de menino. Do lado direito do peito, a insígnia dos justiceiros. De chapéu de cowboy, revólver de madeira na cinta eu era literalmente, o dono desta cidade! E esta cidade, rendia-se aos meus pés, às minhas ordens! Aos meus sonhos! Era apenas, o furor da juventude no seu esplendor, na sua efervescência. Naquela época, eu lhe confidenciava, e você me apoiava, me incentivava. Era fiel. Mas também, você já me espionava. Quantas vezes no banheiro, eu descobrindo o sexo, de pernas bambas... É melhor, deixar pra lá... Bastava olhar pra você e recebia, como castigo, sua reprovação, seu ar censurador! Entretanto, o tempo passa. E se te decepcionas hoje com a minha aparência, talvez por ter-me visto algumas vezes, depois de várias cirurgias, perder aquele porte atlético, ter visto brotar uma barriguinha proeminente, calvície, cabelos grisalhos, mas que continuo o mesmo, quanto a outras habilidades tudo permanece vigorosamente bem. Que marcas e cicatrizes, fazem parte das nossas vidas. Quero dizer-te ainda que apenas a aparência muda. Não as idéias, muito menos os sonhos! Os sonhos são pra serem sonhados eternamente! Viver intensamente! Viver e sonhar! Pois, a vida, é um grande sonho, e só se desperta deste sonho quando se morre.

Não tenho medo da morte, tenho apenas medo de não viver. Foi só falar em sonhar para lembrar-me. Lembro-me, agora me lembro perfeitamente: foi na adolescência. Após conquistar o coração da menina mais linda e cobiçada do colégio, com cartas apaixonantes e poéticas, foi a você, a quem primeiro revelei categoricamente que aquela garota , seria minha para sempre! Depois de casado, permaneceste ao meu lado, vendo também nascer e crescer meus filhos. E a participar de tantas outros acontecimentos, dando testemunho das minhas alegrias, das minhas frustrações. Mais alegrias evidentemente. Em nossa casa, sempre foste hospedeiro. E em recônditos, nunca permaneceste. Estiveste sempre às vistas. Mas como tudo na vida, o tempo é voraz. Hoje pouco importo pra você. Quero apenas que você reflita pra mim seu sorriso contagiante, que continues sendo meu sonho de ontem, minha realidade do amanhã... Que guardes meus segredos. O doce sorriso da infância, as utopias de homem sonhador! E quando eu partir, guarde apenas meu sorriso, pois, já não serei mais seu olhar. Seremos apenas elos, a espera de uma outra parede, de um outro lugar.


Genésio Cavalcanti
Palmares hoje e sempre!



Deixe seu comentário

    Obrigado!

    Obrigado!

    Agradeço por sua presença nessa
    viagem que fizemos juntos...
    Espero outras vezes navegarmos,
    neste mesmo sonho!

    Curta Nossa Poesia